Instagram

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

O emprego alemao e a Rainha Africana

Finalmente consegui trabalho, com contrato assinado e tudo! Se estou feliz? Sim!
Claro, se eu estivesse ganhando dinheiro só pra estudar ou se fossem trabalhos na área teatral seria mais legal! ;-) Mas penso que é só um primeiro degrau. Tenho ainda sonhos e acredito que o destino é generoso com quem nao desiste de sonhar.

Na verdade consegui dois trabalhos de uma vez! Um mini-job e um trabalho normal, de meio-período. (Mini-job é um tipo de trabalho em que se faz poucas horas por semana e se ganha até 400 euros. Com este tipo de contrato, o trabalhador esta isento de pagar impostos e o empregador paga menos impostos.) O mini-job é numa lanchonete na Estacao de Trens de Darmstadt e o outro é numa dessas grandes redes de Fest-food. Ambos sao tidos aqui como trabalhos para estudantes que precisam de um pouco de dinheiro ou estrangeiros que precisam urgentemente de qualquer trabalho, porque sao trabalhos nao especializados e, principalmente,
nao muito bem pagos para o nível de salário dos alemaes. (Mas pra comecar já tá quebrando um galhao!)

No dia em que assinei o primeiro contrato fiquei eufórica e aliviada depois de tantas tentativas frustradas.
Sim, chegar a estes trabalhos nao foi fácil. Eu comecei querendo ir direto ao que quero fazer, mas tanto para trabalhar profissionalmente com teatro, como para dar aulas meu alemao precisa estar impecável, preciso fazer muitos contatos e possivelmente voltar a estudar e fazer cursos, e isto ainda leva um tempinho, enquanto isso, imaginei que conseguiria facilmente um trabalho como garconete ou vendedora. Mas descobri que para a maioria destes trabalhos, é necessário um curso profissionalizante antes, o tal do Ausbildung, que dura 3 anos! (Nao é á toa que estes trabalhos já pagam melhor...) Sem o curso profissionalizante só dá pra ser ajudante de garconete ou ajudante de vendedora.

O trabalho na lanchonete da estacao de trem é muito tranquilo, tanto no que se refere ás tarefas, quanto ao ambiente, e tudo vendemos que lá e artesanal, preparado por nós mesmos, (estou aprendendo a fazer uns sanduíches deliciosos!) . Meus colegas sao todos estrangeiros, já estao aqui há vários anos. Nossa lanchonete fica num piso superior de onde posso ver as plataformas e os trens partindo e chegando e o sol aparecendo e se escondendo sobre os trilhos, é bonito. E vejo pessoas dos mais variados tipos físicos e jeitos de andar e se vestir: figuras muito elegantes, punks, pessoas estranhas, pessoas muito bonitas, pessoas muito simpáticas, pessoas muito apressadas, casais apaixonados e gente mau humorada ou torta, que anda olhando para o chao. Me sinto na vitrine de um aquário, com muitos peixes diferentes sempre passando e alguns que se repetem as vezes (os funcionários da estacao). E estou gostando de atender as pessoas e gosto de ter a oportunidade de, por alguns minutos, ter contato com tantas pessoas diferentes!

No primeiro dia do Fest-food tive tremedeira de tanto estresse. Muito nomes de comidas, muita gente formando fila no caixa, muitas embalagens diferentes, ter de mexer com dinheiro, entender o que minhas colegas e meus chefes nada-simpáticos diziam e, principalmente: entender o que os clientes diziam! No segundo dia eu tive de ficar o tempo todo acompanhada de uma mocinha alema de 16 anos que trabalha lá algumas vezes por semana depois da escola, muito simpática, mas ela falava muito depressa! E muitas palavras difíceis e fazia tudo muito rápido e me dizia: ah, isso é muito fácil! E eu nao pude deixar de ficar um pouco chateada ao perceber que aquilo que me parecia tao complicado é na verdade brincadeirinha para estudantes de segundo grau! Mas procurei pensar que o alemao nao é minha língua materna, que no Brasil isso também seria fácil para mim, que a menina já está no trabalho há alguns meses, e uma estrangeira em início de carreira, tem que sorrir, pronunciar as letras com a maior clareza possível, demonstrar calma e seguranca.
Neste mesmo dia, mais tarde, atendi um casal de velhinhos, razoavelmente mau vestidos, que pediram muita comida e ficaram super animados e sorridentes ao levar suas bandejas tao cheias, isso me deixou feliz e relaxada e foi o ponto de partida para me sentir mais feliz com o trabalho lá também.

No terceiro dia fiquei acompanha de uma moca negra muito bonita, da Nigéria, estudante universitária. Ela tinha uma voz muito macia, falava tudo com muita calma e paciência, com muita clareza e tinha uma certa altivez. E mesmo quando limpava mesas era bela. Num momento em que haviam acabado os pedacos de milho, precisamos com urgência embalar alguns. Ficamos num canto da cozinha e enquanto eu a olhava embalando os pedacos de milho com sua certa-altivez, me lembrei de que um dia quando eu estava triste reclamando para o Martin sobre ser estrangeira, para me alegrar ele me disse que vários estudantes africanos que vêm para cá têm muito dinheiro no seu país de origem, alguns sao até príncipes, princesas de algum clan, e aqui levam também uma vida difícil, mas sempre pensando em adquirir mais experiências e conhecimento. E eu nao me contive e perguntei á bela moca negra: "Vc é rainha no seu país?" Ela parou o que fazia, olhou para mim sorrindo por alguns instantes, e voltando ao trabalho ainda com um sorriso disse: "Sim, nós temos uma rainha lá". E eu fiquei na dúvida se ela quis responder que sim indiretamente, se ela nao entendeu o que eu disse, ou se ela achou graca na pergunta. Mas gosto de acreditar que estive trabalhando com uma rainha africana, que também limpava mesas e servia bandejas como eu, e me ensinou calmamente a embalar pedacos de milho.

2 comentários :

  1. Oi Luciana, tudo bem? Caí por uma acaso aqui no seu blog, parabéns pelo trabalho novo! O início é complicado mesmo infelizmente. Procure encarar tudo como um aprendizado, mesmo as coisas ruins. Tenho certeza que logo vc conseguirá algo mais a altura dos seus sonhos! Boa sorte!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns,Luciana.Muito legal!!Agora já sei quem pagará o chopp depois do Ironman,rsrsrsrs.
    Já comprei as passagens.
    Abraço para vc e para o Martin.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem vindo! :-D