Instagram

sexta-feira, 15 de junho de 2012

A situação está Russa - 1 (Festival de Teatro de Rua em Perm)

Caros amigos e leitores,

Finalmente eu estou escrevendo minhas impressões de uma de nossas viagens diretamente do calor do momento, (e bota calor nisso!). Digo isso porque já viajei bastante com o meu grupo de teatro, já fomos a vários países, inclusive já estivemos na Russia antes, mas eu ainda não consegui escrever sobre estas viagens, somente registrei tudo em muitos videos e fotos, que ainda virarão posts, nem que seja daqui 10 anos, prometo! Isso acontece porque geralmente nosso tempo é bem apertado e quando sobra um momento livre vou andar para conhecer o lugar ou descansar o corpitcho que está sempre dolorido. E o meu perfeccionismo também atrapalha um pouco, eu sempre quero fazer posts perfeitos, claros, organizados, escrevo, apago, corrijo, levo horas para escrever algumas linhas... um parto! Mas desta vez, para  não perder  a oportunidade, simplesmente acordei e vim direto para o computador para escrever como der na telha sobre estes últimos dias.

Estamos participando de um festival de rua, uma coisa louca,  acontece numa área que eles chamam de Cidade do Festival e que está montada no centro da cidade de Perm.  (em inglês tem mais informações) Tem de tudo ali, artesãos de metal, pedras, tecido, palcos com shows de música, teatro, dança, barracas de comida, piscina com área para tomar sol, ringue de patinação, parque de diversões, tenda de cinema, de chá, de recreação, cabeleireiro, todas as atrações culturais são de graça! O público anda sobre um caminhos de madeira, como ruas e todo o resto vai acontecendo em volta. Alguns artistas se apresentam sem lugar específico, numa das bordas dos caminhos. Ontem eu encontrei uma tenda em que uma artesã constrói sentada ali, ao vivo, sapatilhas de balé, destas de ponta, ela faz a sapatilha e vc pode provar e se tiver algum problema ela conserta ali mesmo na hora, achei demais! A área do festival não é tão imensa, mas acontece muita coisa. Me parece que os russos gostam mesmo destas coisas de rua, a quantidade de visitantes é grande, principalmente no fim da tarde, e é gente de todas as idades.

Esta é a página de programação do Festival, (tem até uma foto minha em cena!):
 http://www.permfest.com/programm_2012/street-2012

E quanto ao calor do momento: Gente, eu nunca na minha imaginaçãozinha tive idéia de como a Russia pode ser quente!  Estamos cozinhando dentro da roupa e fritando sob um sol pra lá de ardido! É exatamente como o verão brasileiro, só que mais seco.  (Nestas horas até sinto falta do ventinho gelado da Alemanha...) A temperatura aqui pode variar de  +37 no verão até -40 no inverno, (nós brasileiros não temos a menor idéia de como pode ser viver assim!) E o que é mais doido: neste momento em que estamos (junho) só escurece as 2:00 da madrugada! Isso mesmo, meia noite, 1 hora da manhã esta dia, parece ser 5 horas da tarde! E quando é 5:00 da manhã já amanhece de novo.
Ontem depois do show eu conversei com duas moças russas que me explicaram que em julho passa a acontecer o que eles chamam de noites brancas: não escurece! E a cidade de Perm, assim como São Petersburgo e mais uma ou duas cidades, têm as mais claras, e portanto mais belas  Noites Brancas da Rússia.  Eu perguntei se então no inverno eles tinham somente noite e elas disseram que não, que aqui em Perm no inverno escurece as 4:00 da tarde, como é na Alemanha, e se eu entendi bem, elas disseram que amanhece as 10:00 da manhã...

A cidade é uma mistura de coisas modernas e coisas ultrapassadas, como os prédios super modernos de alguns shoping centers e os ônibus muito velhos dos anos 70 compondo o transporte público. Tem oisas muito interessantes para ver como os imensos prédios de apartamento da época do socialismo, as típicas igrejas russas com tetos pontudos e dourados e casinhas rústicas de madeira com janelas de bordas decoradas e coloridas.  Tem um rio enorme no meio e numa das margens uma praia.

Os homens aqui devem passar muito bem. Os rapazes do nosso grupo que o digam! Constatamos que nossa guia do festival por exemplo só conversava com os meninos do grupo o tempo todo, rolava o maior bate papo, e com as meninas somente o necessário, quando achava necessário. Numa destas alegres conversas ouvimos por alto ela contanto que a quantidade de mulheres aqui na Russia é muito maior que a quantidade de homens... (aham, aham... ficou tudo explicado!) E o que tem mulher sexy na rua é uma coisa fora do comum! Sem brincadeira, 90 da mulherada usa salto alto e dessas, outros 80 %  se equilibra em cima de saltos agulha imensos e mal consegue se mexer em roupas ultra coladas e femininas. Umas vão para o lado mais sexy-romântica com muita renda, tecidos esvoaçantes, flores pra todo lado e claro, o saltão agulha! (Imagine, se as bixa já são grandes, ficamos umas anãs passando perto delas!) Eu não me canso de olhar e imaginar que tipo de vida elas levam, o que será que elas pensam, porque imagino que viver de roupa sexy e salto agulha não é coisa fácil não....

Então como já sabemos as russas não passam muito bem, mas as estrangeiras, principalmente morenonas e negras devem se fartar ao vir para estas bandas (atenção você morena brasileira carente procurando um loiro apolíneo!). Eu que não sou tão morena  já noto a curiosidade de alguns loiros tímidos! Antes de ontem estava andando pela rua com a minha colega de grupo que é brasileira, mulata bonita de Salvador, e notei os homens virando a cabeça e quase batendo o carro de hipinotisados! (Já imaginei que se eu morasse aqui iria fazer ondas nos cabelos, torrar de tomar sol  :-D)

Comer está sendo uma aventura. Pelo que parece os russos comem bem pouco por refeição.
Chegamos a esta conclusão porque tanto na vez que estivemos em Moscou como desta vez somos servidos no restaurante com um prato de sobremesa, a porção de salada vem numa tacinha de sobremesa e a quantidade de dinheiro do vale-refeição que recebemos do festival só dá para uma porção de cada coisa, ou seja, é o pratinho e a tacinha e não tem repetição, a não ser que paguemos do próprio bolso... No primeiro dia foi um choque, depois de horas no sol, montando cenário, comer um pratinho de sobremesa de arroz com vagem não é legal. Na janta então, descobrimos que a cantina onde devemos comer só cozinha no almoço, a janta é comida esquentada e se acabar, acabou. Na janta só tinha: arroz, vagem, maionese e hamburger. Eu não como hamburger e na minha vez a vagem acabou, jantei arroz com maionese, (como também já havia acontecido em Moscou ) Por sorte, uma colega de grupo que é russa deu uma idéia na nossa ajudante paqueradora de que a gente é artista esfomeado e carente e merece mais comida e cuidado, então na mesma hora um rapaz da cantina, meio contrariado fez uma salada e serviu uma tacinha de sobremesa com salada para cada vegetariano, menos mal, apesar de ainda termos ficado com fome, porque para alguns colegas também não teve arroz, só a saladinha.... No dia seguinte foi melhor, tinha mais variadade de vegetais e deixaram a gente comer mais.
Aliás a palavra vegetariano nem deve existir em russo, porque praticamente TUDO tem carne. No avião por exemplo, a salada tinha carne e as opções de refeição era carne branca ou carne vermelha, só faltou vir carne na sobremesa! (Nessas horas vegetariano sem flexibilidade, que não come o pão que tocou no presunto ou o arroz que estava coberto com o filé de peixe, morre de fome.)
Depois deste dia do arroz com maionese ou tacinha de salada da cantina, corremos para o  MacDonalds e, claro, aqui não existe hamburguer vegetariano, e ainda foi dificil explicar com mímica para a mocinha espantada que só queríamos pão com salada e queijo.
Ontem depois do show fomos num primeiro num restaurante onde era impossível ler o cardápio russo e os atendentes não falavam inglês, se picamos e fomos parar noutro restaurante que só tinha churrasco com salada, nossos amigos carnívoros se esbaldaram no churrasco e na nossa vez acabou a salada, ficamos a ver porquinhos.... até que vegetarianamente esfomeados descobrimos um restaurante japonês, com cardápio cheio de fotos, caro pra caramba, mas deu para comer sushi vegetariano, macarrão e salada de alga... acho que agora estamos salvos!
O café da manhã do hotel é legal, tem cerel, yogurte, bolos.  Mas o que é bem interessante é que no meio de um monte de carnes, bolinhos fritos, arroz temperado e outras coisas que mais lembram um almoço, só existe uma porção de fruta. E observamos que a galera russa come mesmo um prato cheio de frango, porco e salsinha já no café da manhã!  
Coisas bem boas que eu comi até agora são: o Ayran, um tipo de yorgurte meio salgado que eu já conhecia da Alemanha, mas pensei que fosse turco e descobri ser típico russo; o chá preto com limão é uma coisa divina e que eles tomam muito;  e eles tomam muito suco feito do cozimento de frutas, aí vem o suco com pedaçõs de fruta cozida no fundo, muito gostosinho.

O hotel é bem confortável, mas todos os banheiros cheiram a esgoto.
Temos bebedouros de água tanto no hotel como no festival, mas a água tem um gosto muito estranho e só estamos conseguindo tomar água de garrafinha.

Os russos em geral tem um cara bem sisuda e aparência fechada, mas são muito simpáticos e sorridentes quando se conversa com eles. Eles gostam muito de música, de dançar e falam bastante, muito parecidos conosco brasileiros. Aliás dizer que é do Brasil sempre faz eles sorrirem e arregalarem os olhos de curiosidade.

Em todas televisões que já vi ligadas, apesar de ser verão tem muitas imagens de inverno e neve, seja em novelas, filmes videoclipes, me parece que o inverno é algo muito presente na vida deles.

Ah, aqui temos 9 horas a mais de diferença do Brasil, ou seja, eu estou escrevendo do futuro!

Bem, isso é o que posso escrever agora...

Assim que possível escrevo mais, corrijo coisas aqui e acrescento algumas imagens e videos que venho fazendo.

Um grande abraço a todos! 

5 comentários :

  1. Lú... que experiência ÚNICA e MARAVILHOSA!

    Sua narração é envolvente, detalhista,com humor...perfeita.Dá pra visualizar tudo que você escreve.

    PAREBÉNS!!Por favor contimue postando...

    Fique com Deus...

    >>---> JC

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A pergunta que não quer calar: Quem é este querido Julian Carax ????? :-)

      Excluir
  2. Lú essa frase é uma pérola: Ah, aqui temos 9 horas a mais de diferença do Brasil, ou seja, eu estou escrevendo do futuro!
    Muito bom!!! uahauhau

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. POis veja só como é quando a pessoa tem talento, eu escrevi a frase tão despretenciosamente Jaque! .... rsrsrs ;-)

      Excluir
  3. Lu, tava com uma saudadona de vc e passei aqui pra te ler um pouquinho. Que delícia suas pequenas grandes aventuras! Que vontade de poder te visitar e conhecer mais de perto teu trabalho, amiga. Ah, realmente a pérola que a Jaque citou é a cereja do bolo! É mt divertido te acompanhar por aqui. Bj grande, Tati Zapata.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem vindo! :-D

A Ponte no youtube

Loading...